AGRICULTURA

Curso de Zootecnia da UNOESC auxilia produtores rurais de Faxinal a serem mais eficientes na produção de silagem




Foto: Elisa Chiarelli/Unoesc

Participantes do projeto de extensão sobre qualidade de silagem, desenvolvido pelo curso de Zootecnia da Unoesc Xanxerê e mestrado em Sanidade e Produção Animal, realizaram, na última semana, a apresentação dos resultados aos produtores da Cooperativa Agropecuária de Faxinal dos Guedes (Comfag).
Este é o terceiro ano consecutivo de acompanhamento, e a partir disto foi possível estabelecer um comparativo efetivo de como este projeto de extensão tem capacidade de melhorar as etapas envolvidas no processo de ensilagem. Comparativamente, na safra 2019/2020 houve acréscimo da produção de leite, em relação à 2017/2018, de 97 litros por tonelada de silagem ingerida.

Conforme o coordenador do projeto, professor Dr. Claiton André Zotti, este resultado é fruto das orientações repassadas aos produtores no início do programa em colher a silagem no ponto correto. Colhendo na faixa de matéria seca ideal haverá maior transporte de nutrientes ao silo, o que reflete em menor proporção de fibras e maior teor de amido da silagem.

Neste ano, além da qualidade da silagem de milho, houve o levantamento da qualidade químico-física do solo, onde foi constatado que a fertilidade do solo das propriedades estava boa. Entretanto, os resultados mostraram um sério problema de compactação do solo
0 professor Dr. Mauricio Vicente Alves, dos cursos de Agronomia e Zootecnia da Unoesc Xanxerê, responsável pelo trabalho, afirma que os solos apresentaram altos índices de resistência a penetração, o que pode prejudicar a produção de silagem.

— A alta resistência à penetração indica que as raízes terão dificuldades de se desenvolver e absorver os nutrientes. Além disso, estas condições dificultam a translocação e armazenagem de água no solo, o que prejudica a absorção de água pela planta. O próximo passo deste projeto será estudar uma forma de auxiliar os produtores a corrigir este problema — relatou o professor Mauricio.

O presidente da Comfag, Ricardo Cesar Favretto, relata que a parceria entre a Unoesc e a Comfag traz inúmeros benefícios para os produtores.

— Através das análises e da assistência prestada pela Unoesc, é possível conhecer a realidade sobre o solo e a qualidade da silagem fornecida aos animais. Além disso, fornece um parâmetro para a próxima safra, indicando os quesitos que podem ser melhorados. Desta forma, o produtor consegue realizar um bom planejamento, sendo mais eficiente e conseguindo aumentar a produção de leite por hectare — comentou Ricardo.
Para o produtor Anderson Herr, esta cooperação técnica é muito importante para a comunidade, pois disponibiliza informação, sem viés comercial.

— O conhecimento obtido no meio acadêmico é compartilhado com o meio rural, fazendo com que o produtor compreenda a sua realidade e tenha liberdade para tomar as suas decisões. Podemos verificar que as propriedades assistidas por este projeto apresentam aumento de produtividade por animal e por hectare, mostrando que estão se tornado mais eficientes — finalizou Anderson.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM