Portal Faxinal

NOTÍCIAS



Funerária tem laboratório de preparação de corpos interditado por uso de certificado falso

01/02/2019 às 16h42
Atualizada em 03/02/2019 - 15h29

Uma funerária localizada no centro  de Faxinal dos Guedes teve na última segunda-feira (28), seu laboratório de Tanatopraxia interditado pela Vigilância Sanitária e Polícia Civil. A interdição se deu após as autoridades receber uma denúncia de que a atividade estaria sendo realizada de forma irregular.

De acordo com o Portal Ronda Policial, ao chegar no local policiais e profissionais da vigilância sanitária municipal solicitaram alvarás de funcionamento bem como o certificado que comprovasse a habilitação do profissional para exercer a função e atividade de tanatopraxia. No entanto, o certificado do profissional habilitado para a função apresentado pela empresa era falso. Fato este que motivou a interdição do laboratório de preparação dos corpos que era utilizado pela funerária.

Levantamentos feitos pelo Ronda Policial, dão conta de que o próprio profissional, um jovem de 27 anos, morador da cidade de Ponte Serrada, teria forjado este certificado. Diante da situação um inquérito policial foi instaurado e ele deverá responder criminalmente por exercício ilegal da profissão e uso de documento falso. Já a funerária em questão segue atuando normalmente sem quaisquer problemas o trabalho de auxílio fúnebres. No entanto as atividades de preparação dos corpos, a funerária passou a terceirizar a outro profissional devidamente habilitado. Ainda segundo levantamentos feitos pelo Ronda Policial, a funerária foi vítima do uso das atividades e má índole do profissional.

Tanatopraxia
Procedimento que consiste na preparação de um cadáver para o velório ou funeral, assim o corpo não sofrerá, pelo tempo solicitado pelos familiares, a decomposição natural. Um dos motivos da tanatopraxia é evitar que o cadáver se transforme num potencial perigo para a higiene e saúde pública, pois, foi possível registrar numerosos casos de acidentes infecciosos provocados por restos mortais em decomposição. Sendo que de fato as bactérias não patogénicas num ser vivo perduram depois da morte. A fim de evitar a decomposição do corpo, é utilizada a técnica que consiste na aplicação de injeções de produtos bactericidas, com o objetivo de destruir as bactérias existentes, como estabelecer um ambiente assético capaz de resistir a uma invasão microbiana. Corpos mutilados também recebem tratamentos de restauro e cosmética para tentar restituir o aspecto natural dos traços do falecido com o objetivo de atenuar o sofrimento dos familiares.

Fonte: Ronda Policial



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

* Fique tranquilo que ele não será exibido junto ao comentário.





VEJA TAMBÉM